segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Tendinite do Supra-espinhoso


São descritas basicamente como causas da tendinite, o trauma direto, a hipovascularização e o impacto subacromial.
Qualquer trauma direto no ombro com luxação ou estiramento agudo com os braços elevados pode levar à tendinopatia do supraespinhoso.

Traumas:
1) Trauma
Não ocupacional:
Esporte (vôlei, basquete, tênis, natação, etc)
Luxação traumática ou estiramento abrupto com os braços elevados
Ocupacional:
Acidente de trabalho associado a trauma com luxação ou estiramento abrupto com braços elevados

2) Hipovascularização:
Não ocupacional:
Degeneração própria da idade
Tensão do braço estático pendente
Doenças que podem levar a diminuição da vascularização local (p.e. diabetes)
Ocupacional:
Movimentos repetitivos
Postura viciosa com membros elevados e abduzidos

3) Impacto sub-acromial de origem ocupacional
Qualquer atividade que necessite de elevação do membro superior leva a Síndrome do Impacto, já descrita. São exemplos a faxineira, os trabalhadores de linha de produção, etc)

Testes:
Supra-espinhoso:
Origem: Cavidade supra-espinhosa da escápula.
Inserção: Tuberculo maior do úmero e cápsula articulasr do ombro.
Ação: Abduz articulação do ombro e estabiliza a articulação do ombro
Teste: pcte sentado ou em pé.
Prova:Iniciação da abdução do úmero.
Pressão: Contra o antebraço na direção da adução.

Testes especiais:
Teste de Neer:
Pcte sentado, com a escápula do pcte estabilizada, o examinador passivamente realiza flexão maxima do ombro afetado.
Dor no ombro e apreensão são indicados como positivo.

Teste da lata vazia (Jobe)
Pcte em pé com ambos os ombros abduzidos à noventa graus, palmas das mãos para fora (dedão para baixo) o examinador aplica resistencia contra o movimento ativo do pcte para elevar os ombros.
Considera-se positivo fraqueza ou relato de dor.

Tratamenro:
As sessões iniciaram-se com movimentação ativa da cintura escapular.
Posteriormente, iniciava-se a mobilização passiva da articulação glenoumeral em todos os planos de movimento: flexão, extensão, abdução, adução, rotação interna e rotação externa.
Em seguida, eram realizados movimentos ativos assistidos, ativos com auxílio de um bastão e pendulares, conforme Figuras 4, 5 e 6. Também eram realizadas outras variações desses movimentos, visando não só flexão e extensão, mas também abdução, adução, rotação interna e externa.
Pode ser realizado exercicios isometricos para potencializar o ganho de ADM
Para os exercícios ativos resistidos visando a abdução, adução, flexão, extensão, rotação interna e rotação externa foi utilizado o theraband vermelho.
Também para aumentar a amplitude de movimento foram realizadas movilizações e trações da articulação glenoumeral.

Referncias:
http://www.efdeportes.com/efd127/pos-operatorio-de-reconstrucao-do-musculo-supra-espinhoso.htm
Fisioterapia em ortopedia - Dolken
Fisioterapia avaliação ortopedica - Konin

4 comentários:

  1. Tendinite supra-espinhos: Esse tipo de lesão pode se apresentar em pessoas que trbalham diariamente com digitação?
    Solicito a especial gentileza de que a resposta seja direcionada ao e-mail: ritas@corsan.com.br por motivo de falta de acesso a NET. Tenho apenas e-mail disponível na empresa na qual trabalho. Grata, Rita Martinatto Gay, cidade de Rio Grande - RS

    ResponderExcluir
  2. Trabalhos com digitação (computador) ergonomicamente correto é inexistente pois é uma patologia de movimentos repetitivos de elevação e abdução do ombro acima de 45º .

    ResponderExcluir
  3. Trabalho na industria e adquiri tendinopatia do supra espinhal. O médico me receitou remédios e fisioterapia, já um outro médico me indicou apenas remédio. Porém, me veio a seguinte dúvida: se adquiri a tendinopatia no trabalho, não seria conveniente o afastamento, para dar descanço ao ombro? Estou seguindo as recomendações do médico, mas não vejo resultado.

    Segunda dúvida: Vou participar de um TAF ( teste de aptidão física) e, neste teste, precisarei fazer 3 flexões na barra fixa, ainda não consigo fazer nenhuma. Estou com medo de me dedicar aos exercícios e à musculação e acabar rompendo o tendão. Detalhe, o 1º médico disse que eu devo treinar normalmente, já o segundo disse que só posso treinar após acabar as dores e o desconforto. Estou aflito, desesperado. Preciso de ajuda!

    ResponderExcluir